Mercado reduz projeção para inflação em 2020 pela 6ª semana

SÃO PAULO – O mercado financeiro reduziu, pela sexta semana, a projeção para a inflação brasileira em 2020, desta vez de 3,40% para 3,25%. É o que mostra o relatório Focus, divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira (10).

Para 2021, a expectativa para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou estável em 3,75%.

Da mesma forma, as perspectivas para o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro foram preservadas, indicando crescimento de 2,30% da economia neste ano e de 2,50%, em 2021.

Com relação à taxa básica de juros, depois do corte da Selic promovido pelo Banco Central na semana passada, o mercado espera que os juros permaneçam estáveis em 4,25% ao ano, em 2020, e subam para 6%, em 2021.

No comunicado da última decisão, a autoridade monetária sinalizou que o ciclo de reduções chegou ao fim, ao afirmar que, “considerando os efeitos defasados do ciclo de afrouxamento iniciado em julho de 2019, o comitê vê como adequada a interrupção do processo de flexibilização monetária”, em seu comunicado.

No que tange às previsões para o mercado cambial, o relatório Focus revelou que a estimativa para o dólar em 2020 se manteve em R$ 4,10, enquanto a previsão para 2021 teve leve alta, de R$ 4,05 para R$ 4,10.

Top 5

Entre os economistas que mais acertam as previsões, reunidos na categoria “Top 5” do relatório Focus, as estimativas para a inflação ficaram ainda menores.

O grupo “Top 5 curto prazo” projeta alta de 3,08% do IPCA  neste ano, abaixo da inflação de 3,26% projetada na semana anterior. Para 2021, a expectativa também foi reduzida, de 3,70% para 3,50% no ano.

Houve uma correção ainda no grupo “Top 5 médio prazo” – a estimativa para a inflação diminuiu de 3,40% para 3,16%, em 2020, e de 3,75% para 3,73%, em 2021.

Aproveite as oportunidades para fazer seu dinheiro render mais: abra uma conta de investimentos na XP – é de graça

The post Mercado reduz projeção para inflação em 2020 pela 6ª semana appeared first on InfoMoney.

Deixe um comentário